Blog

Vamos falar sobre puerpério?

16 ago , 2017  

20728357_857859277705394_8596759200511782286_n

Recentemente coloquei um breve relato sobre o que tem sido o meu puerpério nas redes sociais, o texto dizia assim:

A minha primeira aparição pós parto não é para mostrar a minha barriga chapada com pouco mais de 20 dias da chegada da Bruna, tampouco mostrando meu look lindo para amamentar fazendo pose no espelho com uma cara descansada e maquiada.
Isso é “glamour” e nada tem a ver com o momento do puerpério!
Vocês merecem a verdade e a verdade é que na vida real da maiorias das mulheres o puerpério consiste em noites em claro, bico do peito rachado, cabelo desgrenhado, casa bagunçada, pijamas, visitas, acertar a “pega”, olheiras, cansaço, sensibilidade a flor da pele e humor oscilando o tempo todo!
Mas no meio desse turbilhão existe algo que mantém você de pé e se chama “amor de mãe”.
E é esse amor que vai te ajudar a passar por tudo isso e ainda conseguir dar risada no final!
Vai por mim… essa fase passa e a gente esquece… tanto esquece que eu já estou no terceiro! 
Fiquei super feliz em ver que tantas mulheres se identificaram com o texto, mas ao mesmo tempo fiquei triste ao ler alguns “directs” e mensagens de mulheres que não faziam ideia do que era o puerpério e por esse motivo decidi fazer esse post para quem não sabe o que é!
É chamado de puerpério o período que compreende a fase pós-parto, quando a mulher passa por alterações físicas e psíquicas até que retorne ao estado anterior à sua gravidez. Esse período se inicia no momento em que se dá o descolamento placentário, logo após o nascimento do bebê, embora também possa ocorrer com a placenta ainda inserida na gestante, é o caso de óbitos fetais intrauterino.

É durante o puerpério que o organismo materno retorna às suas condições pré-gravídicas. Este período dura em torno de seis semanas, geralmente ele termina quando a mulher retorna sua função ovulatória, ou seja, reprodutiva. Se a puérpera não estiver amamentando, sua ovulação retornará cerca de seis a oito semanas do parto.

Em puérperas que estejam amamentando, o momento em que a ovulação retornará é praticamente imprevisível e, dependendo da frequência das mamadas, pode demorar cerca de 6 a 8 meses. Diante dessas incertezas é necessário orientar essa puérpera em relação a um método contraceptivo adequado ao momento.

O puerpério é convencionalmente dividido em três fases:

– Puerpério imediato – inicia logo após a saída da placenta e dura aproximadamente duas horas.

– Puerpério mediato: desde o puerpério imediato até 10º dia. Neste período ocorre a regressão do útero, a loquiação apresenta-se em quantidade moderada para escassa e amarelada. É um momento oportuno para realização da visita domiciliar pelo profissional médico ou enfermeiro, pois a mulher está repleta de dúvidas e necessitando de avaliação e cuidados de saúde.

– Puerpério tardio – do décimo ao quadragésimo quinto dia;

– Puerpério remoto – além do quadragésimo quinto dia até que a mulher retome sua função reprodutiva.

Durante este período, a mulher apresenta o chamado “lóquios” que consiste de um sangramento sanguinolento liberado pelo útero após o parto. Inicialmente são vermelhos e, por vezes, tão ou mais abundantes que a menstruação e com o passar do tempo tornam-se acastanhados e em pequena quantidade. Passados de 10 a 14 dias tornam-se brancos ou amarelados, até que desapareça.

Na consulta de puerpério, que deve ser realizada entre o 7º e o 10º dia após o parto, juntamente com a primeira consulta da criança pela Unidade de Saúde da Família, têm os seguintes objetivos:

– Identificar patologias frequentes nesse período e avaliar as condições maternas;

– Controlar e acompanhar a evolução das patologias manifestadas durante a gestação, tais como anemias, diabetes gestacional, síndromes hipertensivas, etc.;

– Reforçar orientações bem como esclarecer eventuais dúvidas que possam aparecer;

– Iniciar o acompanhamento do crescimento, desenvolvimento e imunização do recém-nascido, bem como realizar avaliação de seu estado geral;

– Fornecer orientações sobre o planejamento familiar e assistência ginecológica;

– Fornecer orientações sobre o restabelecimento da atividade sexual do casal.

Para realizar uma assistência de qualidade à puérpera é necessário realizar um exame físico minucioso e completo. No exame físico geral é importante a avaliação dos sinais vitais, em especial pulso (deve estar normal no período mediato), temperatura (presença de febre pode indicar infecção puerperal) e pressão arterial (esperado valores pressóricos normais a partir do 5º dia pós-parto).

No exame físico específico, examinar as mamas observando os mamilos quanto ao tipo, sinais de lesões, rachaduras, bolhas, sangramento; sinais de ingurgitamento mamário, pontos endurecidos, vermelhos, doloridos. Quando necessário, ensinar a mãe a realizar drenagem do leite e indicar exercícios se houver protusão mamilar. Também deverá avaliar a involução uterina, verificando as condições da cicatrização cirúrgica, o aspecto e quantidade da loquiação.

FONTE: SITE PORTAL DA EDUCAÇÃO
Espero ter ajudado vocês, um beijo e até o próximo post!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *