Blog

VAMOS FALAR SOBRE POKÉMON?

10 ago , 2016  

pokebola-pokemongo

Por aqui não somos ligados em vídeo game, pelo menos por enquanto!

Luigi tem uma forte tendência em “viciar” facilmente em jogos eletrônicos. Percebi isso em alguns momentos, que para distraí-lo deixei-o jogar em meu celular!

Foi paixão imediata, ele rapidamente aprendeu a baixar os jogos e manusear os aplicativos sem ninguém precisar ensinar, fazendo o maior “carnaval” na hora de entregar o smartphone!

Luigi ficava quietinho jogando  e confesso que isso dava um certo alívio por alguns minutos, e isso acaba nos acomodando, juntamente com o pensamento: “vou deixá-lo brincar mais um pouquinho, só até eu fazer o almoço…só até eu lavar a louça..responder e-mails…ler um livro e assim vai!

Percebi que isso não estava apropriado no dia que ele chorou copiosamente e teve uma crise de raiva quando acabou a bateria do celular no meio do jogo do homem aranha!

Nesse momento o “sinal vermelho” ascendeu e pensei: “Isso não está legal, está na hora de agir!”

Luigi não estava preparado para lidar com “jogos eletrônicos”, pelo menos não naquele momento!

Tivemos uma longa conversa, expliquei que os jogos não estavam fazendo bem; que ele estava deixando de fazer coisas legais para ficar no celular e que o meu aparelho era usado para trabalhar!

No início foi difícil, ele chorava, pegava o celular escondido, mas logo esqueceu!

Graças à Deus em menos de dois meses tiver a percepção que os jogos eletrônicos não estavam fazendo bem ao Luigi e o fato de agir rapidamente para solucionar o problema fez com que o caso fosse solucionado sem grandes dores de cabeça!

Existem casos que são necessários até ajuda de um profissional para lidar com “vícios eletrônicos”

Sei que por enquanto ele só tem quatro anos e posso controlar, mas daqui há alguns anos não será tão fácil assim! Mas não quero sofrer por antecipação, vamos aguardar a fase chegar primeiro e quando chegar (se chegar) vejo o que farei!

Por esse motivo o famoso “Pokémon” não entra nessa casa! Mas também não estou aqui para criticar quem joga!

No início fiquei um pouco “CHOCADA” e até nervosa em sair na rua e ver tanta gente andando distraída, atravessando sem prestar atenção, crianças que antes iam na pracinha para brincar, hoje vão para “caçar pokémons”.

Mas como tudo na vida tem o seu lado positivo, fiquei feliz em ver tantos adolescentes na rua! Onde estavam esses adolescentes antes do tal joguinho ser lançado?? Provavelmente trancados em seus quartos jogando ou postando em redes sociais!

Hoje eles estão na rua tomando um pouco de vitamina D e caminhando um pouco, nem que seja para “caçar pokemon”!

Também vi uma enorme quantidade de pais andando pelas ruas com seus filhos para “caçar pokemons”. Só acho triste que um jogo virtual precisou ser inventado para tirar as pessoas da inércia e levá-las para fora de casa!

Pais e filhos deveriam caminhar juntos, ir nas pracinhas do bairro, sair para tomar sorvete, sem que o único incentivo seja “caçar” um bicho virtual!

As pessoas não levam seus cachorros diariamente para passear e fazer suas necessidades? Eu me pergunto: por que não fazem isso com os próprios filhos?

A comparação pode parecer absurda, porém é real!

Precisamos rever nossos conceitos e prioridades!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *